Exclusiva

Marcos Kobayashi é aclamado presidente do CVG-SP

11/12/2020

O Clube Vida em Grupo São Paulo (CVG-SP) elegeu por aclamação Marcos Kobayashi presidente para a gestão 2021/2022, em assembleia virtual, realizada no dia 10 de dezembro, com a participação de associados e membros do Conselho Consultivo. Vice-presidente na última gestão e diretor na anterior, ele sucederá no cargo Silas Kasahaya, que termina o seu segundo mandato neste mês e em janeiro passa a presidir o Conselho Consultivo.

No seu pronunciamento, Kobayashi agradeceu a participação aos membros de sua diretoria, ressaltando as características comuns de profissionalismo e engajamento no desenvolvimento do seguro de pessoas. “Partindo do alicerce construído por tantos mestres que passaram pelo CVG-SP, nosso compromisso é conduzir a entidade com muita dedicação e responsabilidade, pensando na evolução e crescimento, com uma dose de criatividade necessária para esse tempo diferente”, disse.

Kobayashi contará com 25 membros na diretoria, dos quais oito estreantes. Três novos na diretoria de Relações com o Mercado – Anderson Fabiano Mundim Martins, Carlindo Boaventura Ferreira e Flávio Vasques de Oliveira – e cinco na diretoria de Seguros – Asenate Souza, Israel Angelo dos Santos, Lidiane da Rocha, Luiz Eduardo Dilli Gonçalves e Mauricio de Oliveira Leite. Kobayashi afirmou que deseja exercer a liderança compartilhada. “Todos terão a oportunidade de lançar projetos para o CVG-SP e colocar a sua marca pessoal”, disse.

Kasahaya cumprimentou o novo presidente e reconheceu que, apesar dos desafios, o exercício do cargo é também uma maneira de retribuir ao mercado. “A história do CVG-SP é feita por pessoas como você e muitos que estão aqui. Tenho certeza de que irá conduzir com maestria o trabalho, de acordo com a importância do CVG-SP”, disse. Ele afirmou, ainda, que um dos diferenciais do CVG-SP é o engajamento de sua diretoria.

O ex-presidente Ronaldo Megda concordou. “O maior ganho de presidir oCVG-SP é a satisfação pessoal. Saber que outros estão continuando o nosso trabalho não tem preço”, disse. Dilmo Bantim Moreira, atual presidente do Conselho Consultivo, também desejou sucesso à nova diretoria. “Que o CVG-SP tenha um longo, perene e próspero futuro”, disse.

Dentre os diretores, Tiago Moraes, que agora assume a diretoria de Relações com Mercado, adiantou uma das prioridades. “Temos plena condição de ajudar as companhias a inovarem”, disse. O novo diretor Anderson Mundim observou que a demanda pelos produtos life aumentou na pandemia. “Podemos agregar mais com o nosso trabalho”, disse. Lidiane da Rocha, outra novata, revelou que Kasahaya é sua inspiração profissional. “Sua experiência, representatividade e capacidade de ouvir o outro são inspiradoras”, disse.

O corretor de seguros e novo diretor Mauricio Leite manifestou orgulho de integrar a nova gestão e revelou o seu foco no ensino. “Temos uma escola de seguros dentro de nós”, disse. Asenate Souza falou da responsabilidade da nova diretoria. “O CVG-SP chegou aonde chegou com pessoas compromissadas, apaixonadas pelo que fazem e, por isso, temos um grande compromisso pela frente”.

Marcio Batistuti citou a disseminação do seguro de pessoas. “Temos de levar a bandeira do seguro para fora do mercado”. Marcio Braga cumprimentou o novo presidente, reconhecendo o seu trabalho brilhante no mercado e colocando-se à disposição. Gustavo Toledo destacou a estrutura empreendedora do CVG-SP criada na última gestão. “Essa sinergia e interação faz a diferença no CVG-SP”, disse. O diretor Edglei Faria Monteiro expressou o desejo de ampliar o foco na saúde, sua área de especialização.

Alexandre Vicente da Silva, que presidirá a Comissão Fiscal, agradeceu o apoio na última gestão e cumprimentou Kobayashi. Em seguida, Kasahaya aproveitou a ocasião para agradecer aos colaboradores do CVG-SP, em especial Lucia Gomes, que chamou de “a nossa guerreira”. Na sequência, ele transmitiu um vídeo com a retrospectiva do ano no CVG-SP, destacando alguns números, como as 50 empresas associadas, os 10 eventos realizados em 2020, a maioria virtual, com a participação interativa de quase 4 mil pessoas, além dos 10 cursos online, com 300 alunos.

“Apesar do isolamento social, foi um ano intenso e de muito aprendizado”, disse Kasahaya, que, logo depois, informou sobre a decisão do CVG-SP de não festejar 2020. “Não faz sentido diante de quase 180 mil mortes por covid-19. O momento é de reflexão, de olharmos para dentro. Se houver algo a comemorar, que seja a saúde”, disse. Por fim, ele fez um apelo à diretoria para que se dedique ao engajamento de jovens profissionais. “Precisamos de jovens para continuar a história do CVG-SP por mais 40 anos”.

 

Fonte: CVG-SP | Texto: Márcia Alves