Destaque

CVG-RJ, o primeiro Clube Vida em Grupo, completa 54 anos

29/06/2020

Se hoje o seguro de pessoas ocupa posição de destaque no ranking do mercado e o seu futuro é muito promissor, deve essa evolução, em parte, ao pioneirismo de entidades como os consagrados Clubes Vida em Grupo de todo país. Nas últimas décadas, os CVGs colaboraram com o desenvolvimento do mercado, levando adiante a missão em comum de difundir as boas práticas e disseminar o conhecimento.

Mas, essa história tem um marco, a fundação do CVG do Rio de Janeiro, o primeiro do gênero no Brasil, no dia 28 de junho de 1966. A iniciativa partiu de Minas Mardirossian e do amigo Carlos Sampaio Salgado, segundo registra a Revista CVG-RJ (edição nº 55, 2014). Naquela época, de acordo com a publicação, havia uma forte competição no segmento de seguro de vida em grupo, provocada principalmente por novas companhias que chegavam ao país e por outras que obtinham suas patentes para operarem no ramo vida.

Seguros vigentes em associações, clubes ou sindicatos eram negociados e transferidos de uma seguradora para outra. “Em verdade, você enchia a caixa de seguros com novos negócios e perdia, por outro lado, com uma competição antiética”, disse Minas em entrevista à revista. Também havia fraudes de angariadores que preenchiam fichas com proponentes fictícios ou com valor maior do que o oferecido ao empregado.

Para tentar sanear o mercado, restabelecer a boa prática e promover a troca de informações sobre produtores de fichas frias ou adulteradas, Minas Mardirossian propôs um encontro entre todos os responsáveis pela comercialização do seguro de vida em grupo das seguradoras. No encontro, realizado na Rua da Quitanda, no centro do Rio de Janeiro, compareceram 22 seguradoras.

Nascia naquele momento as bases para a fundação do CVG-RJ, concretizada em 1966, com o apoio unânime das seguradoras do segmento de vida em grupo. Em uma nova reunião do grupo foi registrada a ata de fundação do CVG-RJ e aprovado o seu estatuto. Os participantes elegeram, por aclamação, em chapa única, Minas Mardirossian como o primeiro presidente da instituição.

“O clube foi criado principalmente para resolver os problemas no segmento de seguro de vida em grupo, nas negociações, nas transferências de apólices e em todo o processo de comercialização e angariação que na época era praticado”, relatou Minas. Aos poucos, foram afastados os fraudadores de propostas e a competição antiética, que dificultava os negócios, terminou. “Melhor ainda é que graças às reuniões do CVG-RJ, diversos pools foram formados entre as seguradoras, alavancando novos negócios, planos e condições mais vantajosas para segurados e seguradoras”, disse em entrevista à Revista CVG-RJ, em 2014.

O CVG-RJ, 54 anos depois

Hoje, o CVG-RJ reúne 26 empresas beneméritas entre seguradoras, corretoras, consultorias e assessorias de seguro. Ao todo, mais de 1,2 mil associados participam de suas atividades, como os cursos de capacitação profissional. Além dos almoços com personalidades do setor, a entidade realiza o prêmio “Destaques do Ano”, mais conhecido como o “Oscar” do setor de seguros, como uma forma de reconhecer e premiar a competência e o serviço prestado por empresas e profissionais.

O atual presidente do CVG-RJ, Octávio Perissé, avalia que o momento atual é desafiador, mas lembra que a entidade construiu uma história de superação. “O CVG-RJ vem mostrando sua resiliência ao longo do tempo. Este ano não poderemos nos reunir presencialmente, como é tradição, mas registramos a alegria de continuar investindo nossos esforços no desenvolvimento do segmento de pessoas, adaptando-nos a essa nova realidade”.

Minas Mardirossian, que faleceu em maio último, sabia o caminho para o mercado de seguro de pessoas avançar. Ele dizia que era preciso desenvolver a qualidade do atendimento e dos serviços, além da gestão profissional. Do alto de sua experiência, resumia a questão com uma frase de Hugo Bethlen: “Superar é ter a humildade de aprender com o passado, ser inconformado com o presente e desafiar o futuro”.

Fonte: CVG-SP | Texto: Márcia Alves