Clipping

Associada Aniversariante – IRB Brasil Re comemora 82 anos de existência

05/04/2021

O CVG-SP homenageia, mensalmente, as empresas associadas, beneméritas e sócias-parceiras. Em abril, a homenageada é o IRB Brasil RE. Fundado em 3 de abril de 1939, o IRB inaugurou o monopólio estatal no setor de resseguros, com a missão de reter no país os riscos de empresas nacionais que antes eram transferidos para o exterior. Criada pelo Decreto-lei n° 1.186, a primeira denominação da empresa era Instituto de Resseguros do Brasil (IRB).

O objetivo do governo ao criar o ressegurador monopolista era evitar que grande parte das divisas fosse consumida com a remessa ao exterior de importâncias vultosas relativas a prêmios de resseguros em companhias estrangeiras. Durante sua trajetória, o IRB propiciou a criação e a consolidação do mercado segurador nacional, predominantemente com empresas nacionais. Com isso, as empresas com participação estrangeira deixaram de se comportar como meras agências de captação de seguros para suas respectivas matrizes, passando a se organizarem como empresas brasileiras, aplicando suas reservas no país.

O IRB adotou, desde o início de suas operações, duas providências eficazes visando criar condições de competitividade para o aparecimento e o desenvolvimento de seguradoras de capital brasileiro: o estabelecimento de baixos limites de retenção e a criação do chamado excedente único. Com isso, empresas pouco capitalizadas e menos instrumentadas tecnicamente - como era o caso das empresas de capital nacional - passaram a ter condições de concorrer com as seguradoras estrangeiras, uma vez que tinham assegurada a automaticidade da cobertura de resseguro.

Em 1996, o ressegurador estatal adotou um novo modelo, tornando-se uma sociedade de economia mista, passando a se chamar IRB Brasil Resseguros S.A. Em 2000, a empresa transferiu para a Superintendência de Seguros Privados (Susep) a responsabilidade pela regulação do mercado de resseguro. Sete anos depois, o IRB entrou em nova era com o término do ciclo de 69 anos e monopólio no mercado brasileiro de resseguro. Assim, foi aberto espaço para o mercado brasileiro competir no setor.

Com a privatização, em 2013, o IRB Brasil RE iniciou novo ao deixar de ser uma sociedade de economia mista. Finalmente, em 2017, houve a abertura de capital (IPO) com o lançamento das ações no Novo Mercado da B3, nível máximo de Governança. Em 2019, IRB realizou dois bem-sucedidos follow-ons da bolsa de valores brasileira (B3), no valor de aproximadamente R$ 10 bilhões. Como consequência, o Acordo de Acionistas foi rescindido e a companhia se tornou uma corporation.

Nesses 82 anos de existência, o IRB Brasil RE se destacou como protagonistas na história do resseguro do Brasil, contribuindo com a capacidade de absorção de riscos e protegendo a saúde financeira das seguradoras, além de colaborar para o crescimento do país. Hoje, a empresa oferece cobertura para riscos em todas as linhas de negócios do mercado ressegurador e está atenta ao desenvolvimento sustentável.

 Em março de 2021, o IRB Brasil Re registrou crescimento no relatório periódico mensal enviado à Susep em prêmios emitidos (29,9%), em relação a janeiro de 2020, representando uma evolução de 110,7% no país, com redução de 13,9% no exterior. A empresa também aumentou em 20,9% o volume de prêmios ganhos nesse período e apresentou índice de sinistralidade de 70,6%. O lucro líquido foi de R$17,9 milhões, ante um prejuízo líquido de R$132,0 milhões no primeiro mês do ano passado.

 

Fonte: CVG-SP, com informações do IRB Brasil RE