Exclusiva

CVG-SP discute o novo momento do seguro de pessoas

29/11/2020

Na 6ª Rodada do Almoço com Especialistas da série de webinars Terraço Virtual, promovida pelo CVG-SP no dia 25 de novembro, com transmissão ao vivo, os representantes da Alfa Seguros, Mitsui Sumitomo Seguros e Zurich relataram as ações das respectivas empresas para o desenvolvimento do seguro de pessoas. Sob a mediação do presidente do CVG-SP, Silas Kasahaya, os convidados comentaram o acelerado processo de transformação digital nas empresas, a mudança nos processos, a inovação em produtos para beneficiar corretores e clientes e os bons resultados alcançados.

Inovação, além da tecnologia

O isolamento social trouxe desafios para a Alfa Seguros que foram além do trabalho em home office. Joana Barros Salgueiro Santos, gerente Geral de Produto, relata que a empresa precisou se reinventar na forma de se comunicar com funcionários e corretores, além de inovar. “Inovação não é apenas tecnologia, mas também mudança nos processos para atender a novas demandas”, disse.

Uma das mudanças ocorreu nos produtos com foco em convenções coletivas, especialidade da Alfa, que passaram a atender a demanda de forma digital. O resultado foi a simplificação na forma de contratação, que pode ser feita com apenas três telas. Além de investir em tecnologia, ela conta que a seguradora também estreitou o relacionamento com os corretores de seguros, ofertando treinamento, aconselhamento, campanhas, lives etc.

“Os corretores foram muito importantes nesse período para conscientizar os clientes sobre a importância do seguro de vida em um momento de crescimento de mortes, evitando o cancelamento de apólices”, disse. Outra iniciativa, segundo a especialista, foi promover o atendimento especial aos sinistros, com a troca do aviso físico pelo digital. “Nos preocupamos em melhorar o processo para torná-lo mais tranquilo para os corretores e clientes”, disse.

Apesar da pandemia, Joana Salgueiro informou que a Alfa tem planos de crescer forte em 2021 no seguro de vida e em ramos elementares. “Vamos mudar um pouco o nosso foco e lançar produtos inovadores, voltados às necessidades dos clientes”, disse. Para tanto, a seguradora também está ajustando a sua visão do cliente, para enxergar essas necessidades e oferecer soluções adequadas. “Estamos inovando em tecnologia, sistemas, processos e produtos”, resumiu.

Bons resultados

Desde o início do período de isolamento social, o uso da tecnologia fez a diferença para a Mitsui Sumitomo Seguros. Tiago Moraes, gerente de Produtos, Subscrição e Operações de Vida, destaca inovações como a assinatura digital para contratos, o recebimento de documentos eletrônicos e a carteirinha de assistência 24 horas digital. A seguradora criou um canal direto entre corretores e subscritores e passou a compartilhar o acesso às suas ferramentas digitais.

Segundo Tiago Moraes, houve mudanças na jornada do corretor na empresa, como, por exemplo, a inclusão de afastados nos cálculos de PME e, ainda, a rotina automática no processo de faturamento. Além do aviso de sinistro web, que já existia, a seguradora adotou a cobrança por e-mail com link de acesso e flexibilizou o pagamento de faturas. “Muitas empresas começaram a ter dificuldade no fluxo de caixa”, disse.

Ele destacou que a Mitsui Sumitomo foi uma das primeiras seguradoras japonesas a se pronunciar em relação à cobertura de sinistros por covid-19. “Desde março, já indenizamos R$ 1,5 milhão”, disse. Já o prazo de carência de 45 dias para a cobertura de covid-19, adotado inicialmente, foi flexibilizado, posteriormente. “Para isentar a carência, criamos o relatório de monitoramento das empresas”, disse.

Neste ano, a seguradora tem colhido bons resultados, registrando crescimento de 27% em prêmios emitidos, até outubro, e de 30% em prêmios ganhos. “Durante a pandemia conseguimos aumentar a nossa carteira em 68 mil vidas”, disse. Os próximos passos, segundo ele, são simplificar o processo de renovação e incluir 100% das apólices no portal do corretor. “São medidas para garantir tranquilidade aos nossos clientes e parceiros”, disse.

Horizonte próspero

A primeira preocupação da Zurich durante a pandemia foi o bem-estar de seus funcionários em home office. Fabiano Lima, diretor Executivo de Vida, Previdência e Capitalização, elenca uma série de benefícios oferecidos, desde a oferta de telemedicina, atendimento psicológico e sessões de meditação, extensivos a familiares, incluindo auxílio funeral para pais e sogros, até ajuda de custo para a compra de equipamentos de escritório. “Não tivemos queda de produtividade e nem atrasos nesse período”, disse.

Para clientes e corretores de seguros, Fabiano Lima conta que as medidas foram para auxiliar, como é o caso da ampliação do prazo de pagamento dos seguros e redução do prazo de pagamento de sinistros. Para ajudar no planejamento financeiro dos clientes, a seguradora lançou seis novos fundos de previdência durante o ano e programou mais quatro para até janeiro.

Já no segmento PME, além da ampliação de limites, houve a inclusão de subestipulantes, novas coberturas e melhorias no sistema de cotação, que passou a ser 100% online até a etapa de regulação. “Nossas ferramentas digitais alcançaram famílias nos seguros PME que não tinham cobertura do seguro de vida”, disse. Na área social, a Zurich doou R$ 5 milhões ao Hospital das Clínicas para a aquisição de novos leitos.

Fabiano Lima reconhece que o trágico momento atual evidencia o papel de proteção do seguro. “Essa é a razão da nossa existência e nos ajuda a ter relevância nesse mercado. Apesar da competividade, é importante que a nossa indústria tenha esse propósito fortalecido”, disse. Ele manifestou a certeza de que ao final da crise haverá oportunidades para o seguro. “Quando atravessarmos tudo isso, o horizonte será mais próspero”, disse.

Crescimento do seguro de vida

Respondendo às perguntas do público, encaminhadas pelo mediador Silas Kasahaya, os convidados concordaram que a pandemia trouxe uma nova percepção sobre a importância do seguro de vida. “A demanda pelo seguro de vida aumentou e não podemos deixar isso acabar”, disse Joana Salgueiro. “As pessoas estão mais preocupadas com proteção financeira, abrindo oportunidades para a previdência”, acrescentou Tiago Moraes.

Fabiano Lima observou que a pandemia também despertou o interesse do segmento empresarial. “Mesmo com orçamento apertado, vemos PMEs procurando a proteção do seguro, o que demonstra a conscientização”, disse. Segundo Kasahaya, essa mudança de comportamento é global. “Pesquisas indicam que o comportamento de consumo mudou bastante. Os seguros individuais, principalmente, cresceram muito”, disse.

Os convidados também foram questionados em relação a um possível atraso tecnológico do mercado de seguros brasileiro. “Não vejo o mercado brasileiro devedor de outros mercados. A transformação digital começou lá atrás, evoluiu e não tem mais volta”, disse Fabiano Lima. “Digitalizamos coisas que achávamos que não conseguiríamos e num prazo curto. A lição que fica é que temos de inovar”, disse Joana Salgueiro. Para Kasahaya, a rapidez é resultado de investimentos anteriores em tecnologia. “Foi um grande aprendizado”.

 

Fonte: CVG-SP | Texto: Márcia Alves